Imprimir
PDF

Nota de repúdio

Escrito por Imprensa em .

A Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef) vem a público repudiar as declarações e a atitude desrespeitosa manifestadas pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, após recomendação técnica da Defensoria Pública da União para situação de calamidade na saúde pública.

A entidade – que representa as Defensoras e os Defensores Públicos Federais de todo o País – compartilha da decisão recomendada pelo Defensor Público Federal Daniel Macedo e reitera que a saúde de quem depende e necessita da ajuda do estado nada tem a ver com o momento político, mas, tão somente, com o direito à vida.

A democracia brasileira enfrenta o desafio de pensar o Estado de forma alinhada às necessidades da população do País. É o momento de projetar os passos para o desenvolvimento em direção a importantes políticas públicas.

A intolerância manifestada pelo prefeito em nada contribui para a independência das instituições e apenas fragiliza o cidadão pobre que necessita do atendimento do Estado e que assiste imune há tempos desde a falta de investimento na atenção básica - de responsabilidade da prefeitura e que provoca reflexos em unidades estaduais e federais, causando superlotação - até a falta de suprimentos para cirurgias e procedimentos de rotina nas unidades de saúde.

Diante deste triste cenário, a Defensoria Pública da União ressalta que continuará o seu trabalho em defesa daqueles que não tem a quem recorrer, assistindo juridicamente, e de forma gratuita, mais de 70 milhões de brasileiras e brasileiros. Sobretudo pelo fato de que nem todos comungam da fé e frequentam as igrejas patrocinadas pelo Prefeito, a fim de ter acesso a “Dona Márcia” para ver facilitado seu acesso à saúde, como amplamente divulgado pela grande mídia.

Nós, Defensoras e Defensores Públicos Federais, lutamos para que prevaleça o respeito e o diálogo em relação aos pleitos do povo brasileiro.

Igor Roque
Presidente da Anadef